31 de janeiro de 2012

Love and Other Drugs | Décor e Guarda-Roupa

Edward Zwrick realizou em 2010, o romance que retrata uma história baseada em factos reais, centrada na doeça de Parkinson. É Maggie (Anne Hathaway), a portadora da maleita a personagem mais interessante em termos de guarda-roupa e de décor, visto que o seu artístico flat serve também de atelier e ninho de amor. Objectos espalhados numa desarrumação ordeira que fomentam a criação e paixão.

Direcção Artística | Gary Kosko
Design de Set | Meg Everist
Guarda-Roupa | Deborah Lynn Scott
























28 de janeiro de 2012

Prima Ballerina



Cate Blanchett em Benjamin Button




Moira Shearer em The Red Shoes




Natalie Portman em Black Swan


Winona Ryder em Black Swan

22 de janeiro de 2012

Regresso ao Passado | Peter Stults

Peter Stults criou posters novos, de filmes recentes reiventando o elenco e o grafismo e adaptando-os às décadas de 40 e 50. Como seriam Avatar ou Drive nessa época?...












17 de janeiro de 2012

Paris, Texas

Wim Wenders realizou o drama de 1984 que nos comove através da história de Travis (Harry Dean Stanton), um homem que se encontra perdido de si mesmo e do resto do mundo no deserto do Texas.




Travis terá de se lembrar quem era, quem abandonou, o seu filho Hunter (Hunter Carson) e quem os abandonou, Jane (Nastassja Kinski). Esta família terá de se reconstruir e é para isso que Travis começa a lutar, seguindo o rasto da ex companheira.




O trabalho de fotografia deste filme, a cargo de Robby Muller, faz com que esteja no lote dos meus favoritos. Os planos abertos, que nos mostram as paisagens desérticas sem fim e os caminhos da cidade são inspiradores. Tudo é exposto calmamente num ritmo quase estangue, para que se perceba cada imagem, cada frase, cada olhar. Numa história cujo centro é uma família desfeita não se poderia contar tão bem se o fizessem rápida e fugazmente, pois não é assim que nos devemos dar aos outros numa partilha e reconciliação. Só assim se consegue um efeito emocional que cria danos colaterais no espectador. Sofremos e ansiamos por uma conclusão.








 Nastassja Kinski acaba por ter o papel mais difícil nesta película, mas também o mais aplaudido por muitos. Como não julgar a mãe que abandona o lar, que abandona o filho? Como não julgar a mulher que trabalha num peep show? é tudo isto que acabamso por não conseguir julgar em Jane devido à sua graciosidade e beleza, mas também, devido à sua aura algo divina, talvez por ser uma mulher jovem, logo, aparentemente indefesa. Por estas razões, esta personagem acaba por ser excluída de qualquer listagem de blonde femme fatale, rotulagem em que facilmente se cairia em muitos filmes Hollywoodescos. Staton personifica a busca por si mesmoe  a ocessão amorosa, mas novamente, sem cair em estereótipos, o que nos faz simpatizar com este homem que se vai metamorfoseando.